NFe
Híbridos de Trigo
Híbridos de Soja
Híbridos de Milho
1 2 3

PREVISÃO DO TEMPO

Previsão do Tempo

COTAÇÕES AGRÍCOLAS

Cotações Agrícolas

REPRESENTANTES

Encontre um de nossos representantes

PARCEIROS

NOTÍCIAS

07/11/2011

Produtividade da soja melhora com aplicação de micronutrientes

Produtividade da soja melhora com aplicação de micronutrientes

Melhorar a produtividade da soja por meio da fixação biológica de nitrogênio (FBN) ainda é possível, mesmo após o plantio ter sido realizado. E uma das estratégias é aumentar a eficiência de inoculantes microbianos na cultura, processo em que o nitrogênio é retirado do ar para ser assimilado pela planta. Essa é uma tecnologia limpa, por substituir o fertilizante nitrogenado mineral por um processo de simbiose, em que a planta e a bactéria (rizóbio) são beneficiadas. Com isso, evita-se a contaminação do solo e de recursos hídricos, além de reduzir a emissão de gases do efeito estufa.


Entre as indicações para maximizar a contribuição do processo de FBN, está a aplicação dos micronutrientes cobalto (Co) e molibdênio (Mo), essenciais ao processo. Atualmente, as recomendações técnicas para aplicação destes nutrientes são de 2 a 3 g de Co ha-1 e de 12 a 30 g de Mo ha-1, via semente, ou em pulverização foliar, nos estádios de desenvolvimento V3-V5.


Trabalhos de pesquisa têm demonstrado que a aplicação dos produtos com estes micronutrientes diretamente nas sementes pode afetar drasticamente a sobrevivência das bactérias fixadoras de N2, a nodulação, a eficiência simbiótica e, consequentemente, os rendimentos de grãos da cultura. “Estes efeitos prejudiciais têm sido associados às formulações salinas dos produtos comerciais contendo tais micronutrientes. Dessa forma, o que se indica é a aplicação destes micronutrientes em pulverização foliar no estádio V3-V5, a fim de serem evitados os resultados negativos”, explica o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Fábio Martins Mercante.


Outros fatores nutricionais devem ser considerados para potencializar os benefícios do uso de inoculantes microbianos na cultura da soja, como a disponibilidade de fósforo (P) e cálcio (Ca) para proporcionar o bom desenvolvimento da planta, o estabelecimento da bactéria e a interação planta-rizóbio.


O agricultor também precisa ficar atento às temperaturas elevadas do solo, principalmente se forem superiores a 32ºC, e ao estresse hídrico. Individual ou conjuntamente, essas condições afetam desde a sobrevivência da bactéria até as etapas da interação entre macro e micro-organismos que vivem em simbiose. “Nesta situação, manejos de solo mais conservacionistas, como o Sistema Plantio Direto, colaboram para a redução da temperatura nas camadas mais superficiais e para a manutenção da umidade do solo.


Essas foram algumas das conclusões obtidas após estudo realizado pelos pesquisadores da Embrapa por meio de um Comunicado Técnico (publicação seriada da Embrapa): Fábio Martins Mercante, da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados/MS); Mariangela Hungria, da Embrapa Soja (Londrina/PR); Iêda de Carvalho Mendes e Fábio Bueno de Reis Júnior, da Embrapa Cerrados (Planaltina/DF).


Maximizando o processo de fixação


Há mais fatores que contribuem para potencializar a FBN, tanto em áreas de primeiro cultivo quanto em áreas tradicionais. No primeiro caso, o agricultor pode duplicar a dose de inoculante utilizada em cultivos tradicionais de soja, porque alguns fungicidas podem reduzir a nodulação e a fixação biológica de nitrogênio na cultura quando aplicados nas sementes. Já nas áreas tradicionais, a pesquisa mostra que, nas principais regiões produtoras de soja no País, incluindo diversos locais nas regiões Sul e Centro-Oeste, o rendimento da cultura aumenta, em média, 8% quando se realiza a reinoculação de rizóbios.


Em Mato Grosso do Sul, avaliações realizadas nas últimas dez safras agrícolas demonstraram que o crescimento médio de rendimento de grãos de soja foi de 9,1% em relação às plantas que não haviam sido inoculadas com rizóbios.


Fungicidas


Um detalhe que o produtor deve ficar atento é quanto à aplicação de fungicidas, já que alguns são tóxicos às bactérias que fixam o nitrogênio, prejudicando o rendimento dos grãos. Por isso, é recomendável que a última operação a ser realizada seja a de aplicação do inoculante.


Segundo os pesquisadores, dois procedimentos podem diminuir a toxicidade: aplicar o inoculante, por aspersão, no sulco de semeadura e aumentar a concentração de células bacterianas nas sementes da soja. Se a aplicação de inoculante for por aspersão, é necessário utilizar, no mínimo, seis vezes a dose empregada na aplicação do inoculante diretamente nas sementes.


Mais informações sobre as estratégias para aumentar a eficiência de inoculantes microbianos na Cultura da Soja podem ser obtidas por meio do Comunicado Técnico 169. Confira no site da Embrapa Agropecuária Oeste:
http://www.cpao.embrapa.br/publicacoes/online/zip/COT2011169.pdf


Programa ABC


A fixação de N2 é uma das técnicas agrícolas sustentáveis do Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) do governo federal, que prevê incentivos e recursos aos produtores rurais que as adotarem. As outras técnicas são recuperação de pastagens degradadas, Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), Sistema Plantio Direto (SPD), florestas plantadas e tratamento de dejetos animais.


FONTE: Embrapa

Soja plantacao
Cerealista Faxinal