NFe
Híbridos de Trigo
Híbridos de Soja
Híbridos de Milho
1 2 3

PREVISÃO DO TEMPO

Previsão do Tempo

COTAÇÕES AGRÍCOLAS

Cotações Agrícolas

REPRESENTANTES

Encontre um de nossos representantes

PARCEIROS

NOTÍCIAS

18/03/2019

A quanto vai a soja no Brasil se EUA/China se acertarem?

Cotação estará muito atrelada ao volume e ao timming com que a China comprar soja americana

Se aproxima o prazo fatal e as chances de acerto comercial entre Estados Unidos e China aumentam. O que poderá acontecer com os preços locais da soja se o acordo realmente acontecer? Suponhamos que seja um acordo pleno, de volta ao volume de importações de soja americana nos níveis médios dos últimos anos.

De acordo com o analista Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica, Chicago subiria paulatinamente ao equivalente a cinco limites de alta até US$ 10,50/bushel. Por outro lado, os prêmios no Brasil cairiam para +35, contra os atuais +55/60. Por fim, o Dólar se estabilizaria ao redor de R$ 3,70 com o acordo sobre a Reforma da Previdência.

“Numa conta rápida, a soja brasileira valeria R$ 10,50 + 0,35 = US$ 398,68/tonelada no porto x R$ 3,70 = R$ 1.475,11. Tirando as despesas de embarque (US$ 10,00/t ou R$ 37,00/t) e a comissão de câmbio (0,1875%), restariam R$ 1.435,35/t sobre rodas no porto ou R$ 86,10/saca. Tirando uma média de R$ 6,00/saca de frete até o porto, restariam cerca de R$ 80,00/saca no interior, para os agricultores do Sul ou seu equivalente nos demais estados”, explica Pacheco.

Segundo ele, o ponto mais delicado é o nível de US$ 10,50 em Chicago, que não se sabe exatamente se será atingido ou não, mas esta é a média da cotação da soja spot nos últimos 30 anos. “Então não é sonho pensar nela, mas estatístico. Esta cotação estará muito atrelada ao volume e ao timming com que a China comprar soja americana”, ressalta.

O especialista lembra que o timming dos chineses, porém, não é o mesmo dos norte-americanos e isto pode demorar um pouco: “A soja está apodrecendo nos armazéns dos EUA e, por isso, eles estão com pressa. Mas isto é essencialmente positivo para os preços porque, tanto retirando rapidamente, aumenta a demanda, como demorando a soja apodrece e é inutilizada, reduzindo a oferta, o que também aumenta os preços”.

“Então, todos os cenários indicam uma possibilidade de recuperação dos preços da soja a médio e longo prazo, podendo chegar até ao nível desejado pelos agricultores brasileiros, de R$ 80,00/saca no interior, provavelmente no segundo semestre de 2019”, conclui.

Agrolink

Cerealista Faxinal